Simmepe Informa

Ano IX - Nº 64 Outubro-Novembro / 2007

   
 

Fimmepe 2007 pelos expositores

 
Estaleiro Atlântico Sul

Uma das presenças marcantes na Fimmepe 2007 foi a do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), que, este ano, esteve com um estande exclusivo no evento, numa demonstração de que o empreendimento é uma realidade em Pernambuco, onde está em fase de implantação no Complexo Industrial e Portuário de Suape. “Nossa participação se propôs a mostrar que o Estaleiro não está chegando ao Estado, ele nasceu aqui, onde vai oferecer oportunidades aos fornecedores e gerar empregos”, afirmou o gestor do departamento administrativo do EAS, Eduardo Cavalcanti.
Eduardo Cavalcanti
Woodbrook

A Woodbrook do Brasil, holding, cuja sede fica em São Paulo, destinada à venda de redutores e acoplamentos para indústrias, teve sua primeira participação na Mecânica Nordeste este ano. “Negociamos algo em torno de R$ 1,2 milhão. Recebemos cerca de 400 visitantes diariamente, todos direcionados para o segmento”, avalia o gerente de marketing, Ernani Araújo. Ainda segundo ele, outro ponto relevante foi o contato com o Estaleiro Atlântico Sul. “Agendei uma reunião com executivos do EAS em São Paulo durante a feira”.
Ernani Ernani Araújo
Atlas Máquinas

Pela primeira vez expondo na Mecânica Nordeste, a empresa paulista Atlas Máquinas teve suas expectativas superadas. “No primeiro dia de evento, praticamente já havíamos vendido três equipamentos”, disse a gerente de vendas da Atlas, Priscila Maia. Segundo ela, a empresa, que tem nove anos fornecendo máquinas operatrizes para indústria, aproveita o momento de expansão do mercado nordestino, com a implantação dos projetos estruturadores no Complexo Industrial e Portuário de Suape, para expandir os negócios na região.
Priscila Priscila Maia
Indústrias Romi

Em praticamente dois dias de feira apenas, a Indústrias Romi, no mercado desde 1930 e tradicional participante da Mecânica Nordeste, já havia comercializado quatro máquinas. “O nosso maior objetivo no evento é o desenvolvimento de contatos para negociações futuras. Apesar disso, o movimento da feira esteve bastante consistente, com público dirigido, atendendo às nossas expectativas. Em pouco tempo de feira já havíamos vendido, vários equipamentos, algo em torno de R$ 2 milhões”, informou o gerente regional da unidade da Romi no Nordeste, Ronaldo Borin.
Ronaldo Borin Ronaldo Borin
DEB’MAQ

Com 10 anos de atuação no mercado, a DEB´MAQ conclui sua oitava participação na Mecânica Nordeste, comemorando os resultados. “É gratificante participarmos da Fimmepe, tanto em relação ao fechamento de negócios quanto ao estabelecimento de negócios futuros. Nesta edição, fechamos algo em torno de R$ 500 mil reais. Vendemos cerca de 11 equipamentos, um número bem representativo para a região”, avalia o gerente de vendas da DEB MAQ, Edson Marinho, que já confirmou presença no próximo ano.
Edson Marinho Edson Marinho
Merax

Para o gerente de Vendas da Merax, máquinas e equipamentos, de Piracicaba (SP), o movimento da Mecânica Nordeste este ano superou as expectativas. “Em apenas dois dias de feira, vendemos seis equipamentos. Se tivéssemos trazido mais máquinas, teríamos comercializado, porque já estamos deixando a feira com encomendas”, comemora o gerente de vendas, José Antônio Ruiz. A Merax importa e distribui máquinas e ferramentas para indústria em geral.
José Antônio Ruiz José Antônio Ruiz
PowerMaq

Expondo máquinas convencionais de comando numérico, direcionadas ao micro, pequeno e médio empresário, a empresa paulista PowerMaq vendeu sete equipamentos durante a Mecânica Nordeste 2007. “Isso não quer dizer que não possamos triplicar esse número em até 30 dias”, ressalta o gerente de vendas, Aldo Ronco. De olho no crescimento econômico do Nordeste, a empresa já reservou um espaço de 100 m² para o próximo ano.
Aldo Ronco Aldo Ronco
Fluidinâmica

Distribuidor exclusivo dos produtos Bosch Rexroth para as regiões de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, a Fluidinâmica esteve na Mecânica Nordeste pela terceira vez, registrando saldo positivo. “Consideramos que, este ano, houve um aumento em torno de 20% no número de visitantes, proporcional ao aumento de tamanho da feira. Realizamos bons contatos para futuros projetos”. A avaliação é do proprietário Paulo Gulde, que já garantiu participação na Mecânica 2008 com novidades. “Vamos trazer um robô para demonstração”.
Paulo Guide Paulo Guide
Afiafacas

“O Nordeste vive um momento de euforia, resultante da implantação de projetos estruturadores como o estaleiro e a refinaria em Suape. Em decorrência disso, a movimentação na Mecânica Nordeste, este ano, foi surpreendente”, afirma o diretor da Afiafacas, Carlos Lopes, que já participa da feira desde 1994. “A Fimmepe é um ambiente propício para a concretização de novos relacionamentos. Recebemos, nesta edição, inclusive, um convite para participarmos de uma reunião com executivos do estaleiro com vistas a uma possível parceria”, contou Carlos Lopes.
Carlos Lopes Carlos Lopes
Nordson

Presente em 80 países do mundo, a Nordson, que comercializa equipamentos de cola branca e quente, pintura líquida e em pó, estreou na Mecânica Nordeste este ano. A iniciativa partiu do representante no Nordeste, Flávio Rossano, que considerou o evento uma ótima oportunidade de estreitar o relacionamento com clientes potenciais e alvos. Os equipamentos destinados ao fechamento de caixas, rotulagem e aplicação de canudos da Nordson já são consumidos pela Ambev, Coca- Cola, ASA, Bunge, entre outras. Na Mecânica, a empresa pôde ampliar sua cartela de contatos, enquanto recebeu visitantes de vários Estados, entre os quais Paraíba e Ceará.
Flávio Rossano Flávio Rossano